You are currently browsing the tag archive for the ‘costelas’ tag.

Sensações como quem escreve como se tocasse um piano
Plano, raso, vôo, fujo.
Os olhos distantes fingindo não querer sofrer
A vontade de chorar que o vento não leva embora
O sonho distante e maluco no cochilo do almoço
Eu juro, tentava te levar comigo.
Mas você não vinha e depois eu te salvava.
Corríamos de um monstro grande que comia a rua atrás de nós
Segurando a sua mão escapamos por um triz e você sumiu.
O quarto, escuro, um arrepio estranho nas costelas
Daqueles que a gente sente e se contorce.
Que é bom.
Que é ruim.
Como você.
Como eu.
Como é quando estamos só você e eu e rimos abraçados.
Os olhos, o nariz que eu digo que é grande só pra azucrinar.
Quando faz careta e diz pra eu tirar o “chulé”, só pra eu rir.
E você também ri.

No fim da noite eu entendo o que era o sonho.
E quão real é isso.
Como ter, como não ter.

agosto 2017
S T Q Q S S D
« dez    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

categorias

contando

  • 9,835 clicks